Entenda mais sobre Síndrome do Pânico

Síndrome do Pânico atinge 1 a cada 10 brasileiros, os sintomas podem ser tratados com psicoterapia, tratamento com medicação e práticas complementares.



Com certeza você já ouviu uma pessoa dizer que determinada situação a levou a um estado de pânico. No conhecimento popular pânico é um estado de medo causado por uma circunstância terrível. Porém, através do desenvolvimento de pesquisas na área da saúde, foi encontrada uma doença psicológica na qual a pessoa atingida pode entrar em estado de pânico a qualquer momento, com ou sem uma situação desencadeadora, é a chamada síndrome do pânico.


Para abarcar a dimensão dessa doença, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 4% da população mundial possui esse distúrbio, são cerca de 280 milhões de pessoas atingidas. No Brasil a estatística é que aproximadamente 1 em cada 10 pessoas sofrem de síndrome do pânico.


Afinal, o que é a Síndrome do Pânico?

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM - 5) a síndrome, ou transtorno de pânico, é a ocorrência dos ataques frequentes. Esses ataques são surtos de medo e ansiedade repentinos e intensos, com curta duração de minutos, com ou sem situação desencadeadora.


Apesar de ser um transtorno que tenha relação com a ansiedade não é sinônimo de transtorno de ansiedade. A principal diferença está na intensidade e previsibilidade das crises, pois no caso da ansiedade é possível distinguir o gatilho que propiciou a crise, enquanto nos casos de pânico muitas vezes não é aparente a motivação lógica e concreta.


Como identificar a Síndrome do Pânico?

Os sintomas descritos pelo DSM-5 para identificar as crises de pânico são os seguintes:

Palpitações, coração acelerado, taquicardia;
Sudorese;
Tremores ou abalos;
Sensação de falta de ar ou sufocamento;
Sensação de asfixia;
Dor ou desconforto no peito;
Náusea ou desconforto abdominal;
Sensação de tontura, instabilidade, vertigem ou desmaio;
Calafrios ou ondas de calor;
Anestesia ou sensações de formigamento (parestesias);
Sensações de irrealidade ou sensação de estar distanciado de si mesmo;
Medo de enlouquecer;
Medo acentuado de morrer.

É muito importante ressaltar que o diagnóstico só pode ser feito por profissional da saúde habilitado, ou seja, é necessário passar por uma avaliação psicológica e/ou médica para que o diagnóstico possa ser confirmado. Então se você ou alguém próximo apresentar alguma crise com sintomas citados acima é necessário consultar um médico pois os sintomas físicos desse transtorno podem indicar outras doenças (como hipertireoidismo e doenças cardiovasculares).


O tratamento pode ser médico e/ou psicoterápico

Qual é o tratamento?

A partir do diagnóstico feito pelo médico ou psicólogo, ele indicará o tratamento. O mais comum é que seja um acompanhamento combinado entre psicoterapia e tratamento com medicação.


Alguns profissionais indicam práticas complementares como exercício físico, meditação, vivências coletivas, desenvolvimento da espiritualidade como fatores que podem auxiliar na redução das crises de pânico, potencializando os efeitos da psicoterapia e do tratamento medicamentoso.


Cabe ressaltar que é muito importante que esse tratamento seja feito a rigor, conforme as indicações dos profissionais porque o prognóstico também depende do acompanhamento da intensidade e frequência das crises, assim como a adaptação e o efeito da medicação.


Você precisa de ajuda?

Acompanhamento psicológico

Quando se trata de saúde mental ainda existe muito preconceito na busca de ajuda e o medo de ser rotulado como um ‘doido’. Mas recentemente tem circulado na grande mídia várias famosas, como por exemplo a apresentadora Angélica, a cantora Wanessa Camargo e a ex BBB Rafa Kalimann, que abriram o jogo e contaram do seu diagnóstico de transtorno do pânico e como o tratamento pôde ajudá-las nesse processo de auto cuidado.


Pensando no seu bem estar a Asped mantém uma atenção especial para a saúde mental e possui parceria com psicólogas, que atendem por valores sociais, para fazer com que o cuidado chegue até você. Entre em contato para mais informações:



Contatos

Rua Calil Abrão, 121 - Luizote de Freitas

Uberlândia-MG - 38414-256

E-mail: contato@asped.org

Tel: +55 (34) 3217-9696

Whatsapp: +55 (34) 98805-2440


Imagens:

Freepik


37 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo