Doula: a profissão reconhecida pela OMS

Profissional responsável por acompanhar gestantes no período da gravidez é reconhecida pela Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) do Ministério do Trabalho desde 2013


Série Profissões - Artigo 07
O cuidado com a gestante impacta diretamente no sucesso do parto

Este é mais um artigo da série profissões e hoje, trouxemos o exemplo de uma área muito relevante e que foi recentemente regulamentada no Brasil: Doula.


A palavra "doula" vem da língua grega antiga e seu significado faz referência a uma mulher que serve e cuida. Há muitas dúvidas e confusões sobre a função dessa profissional. Vamos começar contando para vocês o que não é uma Doula.


Doula não é

  • Parteira: A Doula não é a pessoa que faz o parto, apesar de poder participar dele como acompanhante da gestante, portanto ela não pode ser denominada parteira. A parteira, pelo contrário, pode conduzir o parto, desde que este não apresente nenhum risco à gestante ou bebê.

  • Enfermeira: A Doula não é denominada profissional da saúde, como também não é uma enfermeira, mas uma enfermeira pode fazer curso de Doula e disponibilizar este serviço às suas pacientes.

Mas, então o que a Doula é?

A Doula é uma profissional que se encarrega de acompanhar a gestante dando apoio físico e emocional antes, durante e após o parto. A sua principal função é promover um ambiente de confiança, comunicação, informação e conforto para a parturiente (mulher que está em trabalho de parto).


Esta profissional pode acompanhar o pré-natal, conversar com a família, definir o plano de parto juntamente com a gestante, orientar sobre questões técnicas, burocráticas, além de dar suporte físico como massagens, palavras de conforto e encorajamento.


Como é ter uma Doula?

Para mostrarmos para vocês como funciona todo o trabalho dessa profissional, trouxemos o depoimento da Dani Santos, recente mamãe que teve sua gestação acompanhada por uma profissional incrível.


Quando começou o acompanhamento da profissional?

O acompanhamento da Doula no meu trabalho de parto, os cuidados da Karine, que foi a profissional que nos acompanhou, já se iniciou na na nossa casa quando eu comecei a ter os primeiros sinais de que eu estava entrando em trabalho de parto. Então nesse primeiro momento ela prontamente foi para nossa casa, ficou com a gente. Passou aquelas primeiras doze horas de espera na nossa casa. Nessas primeiras horas lá junto com a gente, deu todas as orientações sobre tudo que iria ocorrer a partir daquele momento, tanto para mim, quanto para o meu esposo, para que ele também ficasse ciente de como ele poderia me ajudar. Nos ajudar nesse primeiro momento do processo foi muito bacana, foi muito importante contar com ela.


Dani sentada na bola levada pela Doula Karine para exercícios de relaxamento

Houve orientações sobre a parte de documentos e procedimentos?

Sim, inclusive na parte mais burocrática do processo, que é a de ir até o hospital, quais os procedimentos que devem ser feitos ali, documentações a serem apresentadas e tudo mais, até mesmo nesse processo ela esteve ali com a gente, nos orientando e nos ajudando, principalmente enquanto ela se encarregava ali de cuidar dessas questões.

A profissional os acompanhou até o hospital?

Ela continuou nos acompanhando no hospital, com esses mesmos cuidados e com essa mesma atenção em relação a nos orientar. Fora isso, ali ela realizou trabalhos para que nós conseguíssemos acelerar o processo. Foi um apoio físico, psicológico muito importante.

Dani e seu esposo, PH, em momentos durante o trabalho de parto orientado pela profissional Karine

Como foi durante a espera do parto?

Quando a gente entra no processo de trabalho de parto é comum que a gente fique mais aérea, né? Mais dispersa em relação a tudo tanto, por conta da da própria dor, pela descarga hormonal. Todo o processo que acontece com a mulher nesse momento. Então a Karine me lembrava disso, ia pro banheiro comigo, me ajudava ali. Sempre ia ao meu redor, sempre do meu lado para que eu não caísse, nem me machucasse. Ela ia para os corredores andar comigo, para eu me movimentar. Além disso, ela ficava sempre por dentro do que estava acontecendo ali no nosso setor, já que a gente estava no nosso primeiro dia de lockdown em Uberlândia por conta da pandemia de 2020. Quando eu dei entrada no hospital, ela ficou também encarregada de acompanhar como estavam sendo os processos e como tudo isso estava acontecendo e como os profissionais de saúde estavam lidando com isso ali no hospital. A presença dela ali me deu segurança, e foi muito importante pra gente.

Dani e PH com o pequeno Noah, acompanhados pela equipe médica e Karine

É incrível como a participação da Doula durante todo o processo da gestação e pós parto impacta na tranquilidade e sucesso de vários processos. Algumas pesquisas apontam que o acompanhamento da Doula reduz taxas de cesáreas, uso do fórceps, uso de medicamentos para dor, horas de parto, pedidos de anestesia peridural e ocitocina.


Como me tornar uma Doula?

Para se tornar uma Doula não é necessário ter um curso superior. Existem inúmeros cursos de preparação para Doula disponíveis no mercado, até mesmo via online. Nessa especialização diversos assuntos são abordados como a Preparação Mental, Biomecânica, Fisiologia do Parto, Funções da Doula, Anatomia e transformações gravídicas, Leis e contratos, Amamentação e muito mais.


É possível, além de se especializar em Doula, a profssional fazer diversos cursos que contribuam com a eficiência do trabalho como de aromaterapia, massoterapia, educação perinatal, técnicas de alívio da dor no trabalho de parto.


A disseminação da importância dessa profissional cresceu a partir de discussões sobre partos humanizados, que defendem a ideia da mínima intervenção médica possível no momento da chegada no neném.


Aqui na Asped, recentemente, oferecemos um curso para gestantes no Bairro Pequis, para orientar e auxiliar várias mulheres nesse processo. Além disso, oferecemos atendimentos psicológicos para a comunidade.


Se está precisando de ajuda, entre em contato e marque agora uma consulta.


Contatos

Rua Calil Abrão, 121 - Luizote de Freitas

Uberlândia-MG - 38414-256

E-mail: contato@asped.org

Tel: +55 (34) 3217-9696

Whatsapp: +55 (34) 98805-2440

Site: www.asped.org





25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo