Novembro Azul – Asped promove evento sobre sexualidade e saúde do Homem

Atualizado: 10 de nov. de 2021

A palestra além de trazer conscientização sobre a importância dos exames preventivos ao câncer de próstata, também trouxe aspectos relevantes à sexualidade masculina, massoterapia e exames


Assim como em outubro há movimentos com tons de rosa em todo o mundo, em novembro essa energia continua mas com uma tonalidade e temática diferentes. É o conhecido Novembro Azul, mês em que são realizadas iniciativas com o objetivo de chamar a atenção dos homens para uma mudança de comportamento com relação à sua saúde, com especial destaque ao câncer de próstata.


Buscando contribuir com a conscientização, a Asped realizou no dia 6 de novembro um evento especial sobre o tema que contou com a presença do Dr. Reginaldo Silva de Oliveira, Sexólogo, Odontólogo, Teólogo e Cientista da Religião, que palestrou para homens e mulheres, trazendo informações sobre a sexualidade masculina e câncer de próstata. O palestrante apresentou dados relevantes, como o câncer de próstata como o segundo mais comum entre os homens no Brasil, atrás apenas do câncer de pele do tipo não melanoma, sendo estimada uma média de 65 mil casos novos a cada ano. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), de cada 36 homens, um morre pela doença, porém, quando o tumor é descoberto precocemente, há maiores chances de cura.


Dr. Reginaldo palestrando no Diálogos

Outras informações importantes foram compartilhadas durante a palestra, com base em dados do Ministério da Saúde. Nós podemos encontrá-las na Biblioteca virtual do MS . O tema fez muitos homens refletirem sobre a necessidade dos exames como prevenção da doença e a necessidade de estarem mais atentos aos sinais do próprio corpo.


Parceiros sempre presentes nos eventos da Asped, os alunos de enfermagem da FATRA - Faculdade do Trabalho realizaram aferição de pressão e os associados da ADEVIUDE - Associação dos Deficientes Visuais de Uberlândia realizaram Massagens nos participantes.



O preconceito em torno do exame


Sr. Benedito e sua esposa Ana

Para o Sr. Benedito Tavares, voluntário da Asped, a palestra foi muito boa. Lamentou que muitos homens não participaram. Disse ainda: “Muita coisa que ele falou, a gente não tem aquele hábito de estar lendo e buscando, então foi muito interessante. Por exemplo, esse machismo de não querer fazer exame de próstata, o homem tem esse problema com ele, mas nós não podemos ter esse tipo de coisa, nós temos que fazer esse tratamento porque é benéfico pra nossa saúde, isso é muito importante”.


O machismo ao qual o Sr. Benedito se refere está ligado ao diagnóstico que envolve o toque retal, um exame que ainda é cercado de tabus e polêmicas. Muitos homens deixam de realizá-lo devido ao preconceito e medo, sendo que, por mais desconfortável que possa ser, é um exame simples, rápido e indolor.


Por esse motivo, o Novembro Azul é uma campanha super importante de combate ao câncer de próstata e conscientização quanto à necessidade dos exames regulares e diagnóstico precoce. Com as ações realizadas, é possível trazer esclarecimento e eliminar ideias erradas, além de sensibilizar os homens quanto aos cuidados com sua própria saúde, sendo necessário vencer essas barreiras psicológicas.


Parece que está dando certo pois, atualmente, o número de casos diagnosticados precocemente está aumentando devido às políticas de rastreamento da doença e à conscientização da população masculina. Consequentemente, mais tratamentos estão dando certo deixando homens saudáveis e suas famílias felizes.


Saiba quando fazer os exames


De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de próstata ocorre principalmente em homens mais velhos. Seis em cada 10 casos são diagnosticados em homens com mais de 65 anos, sendo raro antes dos 40 anos. A média de idade no momento do diagnóstico é de 66 anos. Um em cada 9 homens será diagnosticado com câncer de próstata durante sua vida, porém, apesar de ser uma doença grave, a maioria deles não irá morrer por causa dela.


Mesmo assim, o número de homens que morre por causa do câncer de próstata ainda é muito alto, em média 15 mil homens por ano, no Brasil. Além disso, segundo uma investigação conduzida pelo IVOC (Instituto Vencer o Câncer), com patrocínio da Bayer, entre novembro de 2019 e julho de 2020, os casos de câncer de próstata no mundo podem aumentar em aproximadamente 80% até 2040.


Não seja você mais um nessa estatística alarmante. Cuide-se!

Muitos homens são “durões”, mas a saúde deles exige cuidado tanto quanto a da mulher. Todo homem precisa ir ao médico, uma vez ao ano pelo menos, para garantir a manutenção da sua saúde, além de ter certos cuidados como:

  • Evitar fumar e ingerir bebidas alcoólicas;

  • praticar exercícios físicos;

  • manter uma alimentação adequada;

  • buscar manter o peso ideal.

Para Marciano Lima, participante da palestra, que faz exames anualmente desde os 45 anos, à pedido médico por prevenção, cuidar da saúde vai além de uma necessidade. Veja seu depoimento:


Sr. Marciano Lima

“Fazer os exames é importante, por ser uma questão de saúde, a minha saúde! Quando a gente coloca isso na mente, fazer os exames se torna algo natural. Às vezes não parece simples, pois na primeira vez o médico não me falou como seria, mas eu fiquei sabendo por colegas que já haviam feito. Quando cheguei na clínica, o médico que ia realizar o exame me explicou e também me disse o motivo de realizar os exames, que com o diagnóstico precoce a chance de cura é maior e que para ser assertivo, são necessários os dois exames, o PSA e o exame de toque”.


Prevenção e Diagnóstico


Os dois exames mencionados pelo Sr. Marciano são necessários para investigar os sinais e sintomas de um câncer de próstata e descobrir se a doença está presente ou não. Saiba mais sobre eles.

Exame de toque retal: o médico avalia tamanho, forma e textura da próstata, introduzindo o dedo protegido por uma luva lubrificada no reto. Este exame permite palpar as partes posterior e lateral da próstata.

Exame de PSA: é um exame de sangue que mede a quantidade de uma proteína produzida pela próstata - Antígeno Prostático Específico (PSA). Níveis altos dessa proteína podem significar câncer, mas também doenças benignas da próstata.


Os médicos aconselham que esses exames sejam realizados a partir dos 50 anos por todos os homens e a partir dos 45 anos para aqueles da raça negra ou que têm história de câncer de próstata na família. Quando há alguma alteração no PSA ou no toque retal, e o médico suspeita, ele pede a biópsia, para confirmar se há câncer ou não. Nesse exame, são retirados pedaços muito pequenos da próstata para serem analisados no laboratório.


Na fase inicial, o câncer de próstata não apresenta sintomas e quando alguns sinais começam a aparecer, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura. O homem deve estar atento aos seguintes sintomas:

• dor óssea; • dores ao urinar; • vontade de urinar com frequência; • presença de sangue na urina e/ou no sêmen.


Tratamento

Estágios do câncer de próstata

A indicação da melhor forma de tratamento vai depender de vários aspectos, pois cada um responde de forma diferente de acordo com o próprio organismo e histórico de vida. Felizmente a remissão se tornou real para muitos homens. Para o pai da Késya, o médico indicou a extração total da próstata, não sendo necessário quimioterapia nem radioterapia. Ele enfrentou a doença há 14 anos e hoje está bem. Já para o Sr. Zwingle Xiol, voluntário da Asped e participante da palestra, a descoberta do câncer aconteceu na hora certa. Devido à idade, o médico não aconselhou a retirada do órgão, mas ele não precisou fazer quimioterapia, preservando seu organismo de eventuais efeitos colaterais provocados por esse tipo de tratamento. Fez a radioterapia e respondeu bem ao tratamento, já estando em período de remissão.


Sr. Zwingle Xiol, de camisa branca e máscara, juntamente com outros homens atentos à fala do palestrante

O Diálogos - Novembro Azul


Apesar dos resultados positivos na descoberta precoce do câncer de próstata, ainda há muito por fazer. De um lado, instituições como a Asped, que se propôs, através do evento Diálogos, trazer informações relevantes á população, principalmente aos homens. Do outro, aqueles que não recomendam o rastreamento do câncer de próstata por acreditarem que não há evidência científica que isso traga mais benefícios do que riscos.


No Brasil, o Ministério da Saúde tem se empenhado em ações favoráveis à abordagem integral da saúde dos homens, em conjunto com o Instituto Nacional do Câncer - INCA. Então, para saber mais, leia a cartilha Câncer de próstata: vamos falar sobre isso?, que traz informações sobre a doença.


Diretoria da Asped com o palestrante Dr. Reginaldo

Através dos depoimentos, percebemos que o exame precoce é uma forma eficaz de combater a doença e permitir um tratamento cada vez menos agressivo ao paciente. A Organização Mundial de Saúde aconselha que, a decisão sobre fazer ou não os exames devem ser resultado de um diálogo entre paciente e médico e que a preocupação do homem deve envolver aspectos que vão além dos exames, como o próprio estilo de vida, que pode ou não favorecer o aparecimento de diversas doenças.






Stefania, Karla e Cáritas, voluntária, estagiária e Assistente Social da Asped, respectivamente (da esquerda para a direita)

Assim, o homem que deseja ter uma vida saudável, e inclusive ter uma vida sexualmente ativa, como bem frisou o palestrante do Diálogos, necessita ter uma rotina de cuidados com sua saúde para evitar surpresas e agravos que podem ser evitados, caso busque orientação médica e realize as medidas de prevenção.


Abrir a mente dos homens para a importância do cuidado com a própria saúde foi o objetivo da Asped neste Novembro Azul.


Veja mais algumas fotos



A Asped e você


Para compor uma ação futura de doações da Ong, a Asped aproveitou o evento para arrecadar produtos de higiene oral que foram doados pelos participantes da palestra. O tema abordado é recorrente todos os anos, em especial em Novembro, devido à sua importância.


Se você precisa de apoio ou conhece alguém que tem passado por essa situação e está precisando de suporte emocional e nutricional, a Asped tem profissionais que oferecem seus serviços a um preço social. Porém, se ainda assim não tiver condições de pagar, é possível contar com gratuidade. Faça como a Rosa Manuela, que durante seu tratamento de câncer de mama tem tido apoio da Asped, e agora participa da Ong como voluntária. Seja você mulher ou homem, jovem ou idoso, estamos aqui para estar com você nessa caminhada, afinal, equilíbrio emocional durante um tratamento é essencial para a cura. Precisa dessa ajuda?


Fale com a Asped.

Contatos

Rua Calil Abrão, 121 - Luizote de Freitas

Uberlândia-MG - 38414-256

E-mail: contato@asped.org

Tel: +55 (34) 3217-9696

Whatsapp: +55 (34) 98805-2440



Imagens:

Asped, Freepik e Google Imagens



51 visualizações1 comentário